Fotona melhora a qualidade de vida de mulheres com câncer de mama

Fotona melhora a qualidade de vida de mulheres com câncer de mama

Laser ginecológico ameniza a atrofia vaginal, um dos efeitos colaterais do tratamento 

 

Mudanças no corpo, no ânimo e na autoestima. A pessoa que se submete a um tratamento de combate ao câncer de mama pode sentir tudo isso – e até mais. Cirurgias, quimio e radioterapia trazem muitos efeitos colaterais que precisam de atenção e cuidados. Um deles é a atrofia vaginal – uma condição causada pela diminuição dos níveis de estrogênio, que provoca relaxamento e ressecamento vaginal.

Segundo o Dr.Carlos Eduardo Czeresnia, ginecologista da clínica Célula Mater, de São Paulo, o estrogênio é o hormônio sexual feminino responsável por manter a região genital saudável. Quando a paciente é submetida a tratamentos, como radioterapia, e quimioterapia, acontece uma diminuição em quantidade do hormônio, causando alterações fisiológicas na vagina e no trato urinário. “Algumas vezes verifica-se uma perda de fibras colágenas e elásticas na região, diminuindo o tônus e a força muscular. Como resultado, há um relaxamento do assoalho pélvico e ressecamento da área, fazendo com que as mulheres apresentem alguns sintomas, como dor na relação sexual, irritação, queimação, ardor ao urinar e até mesmo incontinência urinária”, explica. 

Uma das formas de tratar o problema é por meio de um protocolo desenvolvido pela Fotona Laser, premiada estação de lasers. Trata-se do Fotona Ginecológico, um procedimento que utiliza a tecnologia ER:YAG para atingir camadas profundas dos tecidos da genitália inferior e sem causar dor. “O procedimento aquece a mucosa vaginal, atingindo precisamente o tecido elástico que envolve a vagina, e estimula os vasos sanguíneos e os fibroblastos a aumentarem a produção de elastina – um colágeno específico que recupera a elasticidade do canal vaginal. Além disso, a luz emitida pelo laser também melhora a lubrificação da mulher”, explica o Dr.Nilson Roberto de Melo, ginecologista de São Paulo.

Segundo a Dra.Mariângela Maluf, a produção de colágeno devido à ação do Fotona leva ao que costumamos definir como rejuvenescimento vaginal. “Não se trata de algo estético, mas sim em recuperar o aspecto saudável da mucosa genital”, diz a ginecologista que é diretora clínica do Centro Especializado em Reprodução Humana (CEERH), de São Paulo. “Com esta tecnologia, as pacientes têm acesso a um tratamento eficaz, indolor e que evita, em alguns casos, procedimentos cirúrgicos e tratamentos com hormônios”, afirma a Dra.Albertina Duarte Takiuti, mestre em ginecologia pela Universidade Estadual de São Paulo (USP). Por isso, o Fotona Ginecológico é um método recomendado para mulheres em tratamento contra o câncer de mama e também para aquelas que já se recuperaram, pois além de ser minimamente invasivo, pode substituir a reposição de hormônios, que como se sabe tem uma relação com o aparecimento deste tipo de câncer. 

A aplicação do Fotona pode ser feita por qualquer paciente em tratamento que apresenta sintomas de atrofia, e, independentemente da idade, algumas vão se beneficiar com o procedimento, que naturalmente não possui efeitos colaterais. Para um tratamento completo, são necessárias, em média, três sessões com o aparelho, em um intervalo de quatro a seis semanas. Os resultados, porém, podem ser percebidos logo após a segunda aplicação. Além disso, o tratamento com Fotona não exige nenhum tipo de cuidado pré ou pós-tratamento, exceto que se evite ter relação sexual nos primeiros sete dias após o procedimento.



Voltar